domingo, 21 de maio de 2017

Marcas de roupas sustentáveis que vale a pena conhecer

Moda ecológica, moda sustentável, slow fashion… os números de pesquisa por esses termos no Google aumentam cada vez, uma prova de que os hábitos de consumo do brasileiro estão mudando. Porém, ainda há um longo caminho pela frente, então vamos fazer nossa parte: falar, compartilhar e divulgar cada vez mais marcas de roupas sustentáveis que vale a pena conhecer!


Você sabia existem muitas maneiras de uma marca ser considerada sustentável? Às vezes, aquela loja que você amou saber que é sustentável tem um compromisso com o reaproveitamento de materiais, não com o veganismo, como você poderia curtir mais (um exemplo, tá, gente?).

Por isso, pra fazer este post, pesquisei marcas que se consideram sustentáveis e especifiquei bem quais seus compromissos na luta por uma moda mais responsável.

Então vista seu lado fashion victim (que não resiste a uma tendência) e dê um banho de consciência nele!

Marcas de roupas sustentáveis que vale a pena conhecer!

Boutique São Paulo

Vamos começar falando de reaproveitamento. A Boutique São Paulo reinventou o conceito de brechó, não só revendendo peças previamente descartadas, mas dando nova vida a elas. Os produtos de segunda mão são garimpados, revitalizados, higienizados e enviados com muito carinho.

Essas peças não necessariamente são eco-friendly, veganas, ou qualquer coisa do tipo. Então, por que são consideradas sustentáveis? Apenas porque, ao invés de irem parar no lixo após o descarte, vão para o guarda-roupa de alguém que poderá deixar de comprar uma peça recém-fabricada, freando a carreta desgovernada que a grande indústria da moda se tornou.

Parece um passo pequeno, mas sem dúvida é um passo na direção certa. Olha só o que eles dizem: “Para produzir 1kg de algodão, aproximadamente 25.000 litros de água são gastos. O processo de criação de um jeans, por exemplo, afeta o ambiente de maneira muito significativa, inclusive aumentando a concentração de dióxido de carbono na atmosfera. Prolongar a vida útil de uma peça é colaborar com a preservação de recursos que já foram extraídos da natureza.” Confira mais informações clicando aqui.

Isso torna justa a inclusão da Boutique São Paulo na lista de marcas de roupas sustentáveis para conhecer em São Paulo.

Honey Pie

A pegada da Honey Pie, marca de roupas femininas, é o slow fashion. Mas o que é isso? Basicamente, uma alternativa à produção em massa, que costuma ser pouco transparente (facilitando demais a exploração de mão de obra e matéria-prima). Afinal, como você vai saber se aquela brusinha linda distribuída por grandes marcas não foi feita com mão de obra infantil, escrava ou as duas coisas?

Na dúvida, procure por marcas como a Honey Pie. As peças são feitas com matéria-prima brasileira, para fortalecer o mercado nacional, além de concentrar todo o processo de produção das roupas dentro do ateliê, para acompanhar de perto as condições de trabalho.
Ada

Na Ada, também não existem coleções, apenas tiragens pequenas de roupas feitas com fibras naturais 100% feitas no Brasil. Além do slow fashion, a marca tem raízes veganas, então, se preocupa que sua matéria-prima respeite os Direitos dos Animais.

O nome da marca é inspirado em Ada Augusta Byron King, criadora do primeiro algoritmo para ser processado em uma máquina. Legal, né?

As peças têm design minimalista lindíssimo, o que as tornam atemporais (você não vai precisar jogar fora e comprar mais roupas, como acontece com peças “fora de moda”).
Nicole Bustamante – Vegan Goods

Falando em veganismo, se essa é seu ideal, você vai amar a marca Nicole Bustamante. As peças são feitas à mão com matéria-prima vegan friendly, se posicionando totalmente contra à moda descartável/fast fashion. Tanto que eles oferecem roupas de modelagem sem gênero, ou seja, você só precisa ser humano pra usar (mas, se quiser vestir no seu cachorro, acho que também não há restrições.)
A loja também tem dois endereços, ambos na Rua Augusta (além da loja on-line). Dá uma olhada clicando aqui. http://nicolebustamante.iluria.com/sobre-nos-pg-26c25

King55

A King produz manualmente peças masculinas e femininas, focadas na moda streetwear, com matéria-prima sustentável e ecológica. Eles fizeram um vídeo bem legal pra mostrar como as roupas são feitas:
KING55 – Produtos Customizados from King CinquentaeCinco on Vimeo.

A loja vende roupas, acessórios, calçados, tudo que há de bom e descolado. Siga o Instagram deles para conferir tudo que há por lá:
Além de vender on-line, a King55 tem uma loja em Pinheiros e uma na Vila Madalena. Clique aqui para ver os endereços e decidir qual vai visitar!

Cofi Wear

Na onda da moda unissex, a Cofi foi o maior achado de todos os achados que achei nos últimos tempos (ta-dã). Só de olhar a foto, você já percebe DE CARA quanto essas calças 100% algodão são confortáveis, bonitas, práticas e modernas:

Tá, mas o negócio aqui é sustentabilidade, onde isso entra na Cofi? Já dei a dica: 100% algodão. Eles não usam nenhuma matéria-prima de origem animal, tanto que até os zíperes foram trocados por elásticos de algodão (o que é ótimo, porque serve perfeita e confortavelmente em qualquer um).

Pra complementar a produção vegana, ela tem uma pegada artesanal, feita por uma equipe de costureiras com uma remuneração que a Cofi tem orgulho em chamar de justa. Bacana, né? Dá uma olhada aqui no site para saber mais. https://cofiwear.com/sobre/

Eles vendem on-line, entre lá no site e se divirta escolhendo sua calça Cofi!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Estilista e grupo de artesãs criam acessórios e peças de decoração com resíduos de jeans


Doze milhões de metros de ourelas de jeans descartados por mês pelo polo têxtil da região do agreste pernambucano, integrado por 18 municípios. Um grupo de artesãs disposto a produzir alguma coisa com o material, que vai parar nos lixões ou é incinerado em fornos e lavanderias. Um estilista, que aposta na sustentabilidade e cria coleção de acessórios e peças de decoração para solucionar a questão socioambiental da região. Isso está ocorrendo, desde o ano passado em Alto do Moura, localidade a 7 km do centro de Caruaru, famosa por ser o maior centro de arte em barro das Américas, fundada pelo Mestre Vitalino.

O estilista Melk Zda, de Recife, é protagonista dessa iniciativa junto com o grupo de 16 artesãs da Associação de Artesãos em Barro e Moradores de Alto do Moura (Abmam), que se autodenominou Mulheres de Argila. Almofadas, tapetes, luminárias, jogos de cama e mesa, entre outras peças, compõem a primeira coleção chamada Sá Valdivina, em homenagem à bonequeira, que também fazia potes de barro e teria 117 anos, se fosse viva. A matéria-prima dos produtos são os resíduos de jeans do polo têxtil pernambucano. A próxima coleção vai homenagear outra artesã de Alto do Moura: Dona Celestina, que ainda  produz brinquedos de barro. Essas ações pertencem ao Projeto de Artesanato do Agreste do Sebrae em Pernambuco.

“Trabalhar com sustentabilidade é um trabalho abençoado. Saber que estamos contribuindo com o meio ambiente e outras mulheres faz a gente se engrandecer como ser humano”, afirma Josy Santos, presidente do grupo Mulheres de Argila.

“É maravilhoso pegar um produto já existente e fazer outro, a partir dele. A coleção teve muito boa aceitação”, comemora Melk Zda. Ele também desenvolveu o tear para tecer as tramas feitas de ourelas de jeans, simples e feito de isopor.  O estilista informa que, no momento, as artesãs estão preparando a segunda fase da coleção Sá Valdivina, constituída por bolsas, mochilas e carteiras. As peças são comercializadas no show room da Abmam e em feiras de negócios, das quais as Mulheres de Argila participam com apoio do Sebrae PE.

“A moda tem que solucionar seus resíduos”, defende o estilista. “Para cada metro de tecido para se fazer uma peça jeans, sobram dois metros de ourela, que viram lixo no polo têxtil”, resume ele. Quando recebeu o convite para participar do desafio, Melk Zda confessa que estranhou, pois a tradição de Alto do Moura são as peças em barro. “Mas  as artesãs queriam outra matéria-prima para desenvolver novos produtos. Os resíduos de jeans não eram aproveitados e elas também queriam resolver o problema local”, diz ele.

“O que estamos fazendo pode ser modelo para o mundo. Temos de diminuir o desperdício. A Lei de Lavoisier nunca foi tão certa: nada se perde, tudo se transforma”, diz Josy.  “O projeto de artesanato mexe com a autoestima de Alto do Moura. A coleção Sá Valdivina conquistou o coração das pessoas desse lugar”, conta Maria Marisete da Silva, gestora do projeto de artesanato do Sebrae em Caruaru.

O futuro da moda é a sustentabilidade e a sustentabilidade é a nova moda

Resíduos químicos, produção em massa e consumismo são todos subprodutos de uma economia global industrializada alimentada pela obsolescência programada. Com a indústria da moda não é diferente. Ao longo das décadas, a tecnologia ajudou a indústria a atender a demanda crescente, tornando a produção mais eficiente e barata.
A superprodução que foi impulsionada pelas constantes exigências do fast fashion por novos estilos, levou a uma série de problemas adicionais como o aumento dos resíduos químicos durante a produção, juntamente com milhares de toneladas de resíduos de roupas usadas, descartadas ou doadas.
O mercado global de vestuário está avaliado em 3 trilhões de dólares, e é responsável por 2% do Produto Interno Bruto do mundo (PIB). A indústria da moda inclui outras categorias além da moda masculina, feminina, infantil e esportiva.No ano passado, o consumo mundial de têxteis atingiu cerca de 73 milhões de toneladas e deve crescer cerca de 4% ao ano até 2025 (APIC, 2014), mas apenas 20% dos tecidos são reciclados a cada ano em todo o mundo (Soex, 2014).

O que fazer com toneladas de roupas que são jogadas fora todos os anos? Reciclar, reciclar e reciclar esse é o novo mantra da economia circular onde o que era lixo se torna novas fibras.

Enquanto isso, cada tonelada de roupas descartadas que são reutilizadas evita que 20 toneladas de CO2 entrem na atmosfera e cada 1000 toneladas de materiais têxteis recolhidos podem criar cerca de sete empregos fixos e 15 empregos indiretos.
A União Europeia está bem avançada no quesito sustentabilidade pois criou leis rígidas para eliminar o descarte de materiais têxteis nos aterros até 2020, exigindo que a indústria da moda crie novas alternativas de economia circular para reciclar toda essa matéria prima em novos tecidos e materiais. Por causa disso já estamos vendo muitas grandes marcas de moda colocando pontos de coleta de roupas em suas lojas.
Felizmente estão surgindo novas tecnologias de reciclagem química que transformam toneladas de resíduos de alimentos, roupas velhas e até esterco de vaca, em novos tecidos sustentáveis biodegradáveis para substituir os tecidos de algodão comum e poliéster que dominam 85% do mercado de moda e cuja produção não é sustentável.
Os designers de moda, no entanto, estão agora utilizando a tecnologia para criar roupas e acessórios ambientalmente conscientes, que oferecem um vislumbre do futuro e uma crítica a uma indústria poluente que em breve será forçada a resolver alguns dos problemas criados pela produção em massa.

A POLUIÇÃO DA MODA
O mercado de vestuário dos EUA é o maior do mundo com cerca de 28% do volume total. Muitas empresas aderiram ao modelo insustentável do “fast fashion” que ganhou força a partir da década de 90, onde os consumidores foram acostumados a encontrar roupas novas nas prateleiras quase todas as semanas, em vez de uma vez por temporada.
Mas enquanto a tecnologia permitiu que as empresas produzissem roupas de forma mais rápida e com menor custo, a rapidez do fast fashion ajudou a tornar a moda na segunda indústria mais poluente do mundo, atrás da indústria petrolífera, a segunda em consumo de água depois da indústria alimentícia e a primeira em obsolescência programada superando a indústria de eletrônicos.
Uma única peça de roupa cria uma grande pegada ambiental durante seu processo de vida que inclui a agricultura, colheita, produção, processamento, transporte, uso e descarte. Pesticidas na cultura do algodão, tintas tóxicas na fabricação e os resíduos das roupas descartadas nos aterros aumentam os custos ambientais de uma peça de vestuário.

Alguns materiais, como o algodão, são recicláveis e biodegradáveis, enquanto outros materiais sintéticos, como o nylon e o poliéster, são reciclados mas não são biodegradáveis. Mesmo lavando essas roupas sintéticas, podem enviar milhares de minúsculas fibras e produtos químicos para o oceano.
A BELEZA E ÉTICA NA MODA COM UM PROPÓSITO
Devemos repensar o ciclo de vida completo do vestuário para acabar com todo desperdício, criando novas tecnologias de produção onde todos resíduos podem ser reciclados e reintroduzidos na cadeia de produção de forma contínua de acordo com a economia circular. As tecnologias de produção de moda de economia linear, causaram o aumento em larga escala de resíduos.
Mas isso está começando a mudar. Estilistas como Eileen Fisher, Stella McCartney e Ralph Lauren estão tentando reformular as práticas da indústria, usando tecidos orgânicos ou tecidos feitos de reciclagem de materiais para reduzir o desperdício de água, energia, tempo e produtos químicos.
Outras empresas como a Levi Strauss, estão envolvidas em projetos que estudam seu impacto sobre o planeta. A Levi fez parceria com a startup Evernu para dissolver quimicamente roupas velhas para se criar uma nova fibra de qualidade para fabricar suas calças jeans, o que é uma alternativa sustentável para o uso intensivo de água na produção de algodão.
Outra parceria interessante da Levi foi com a empresa italiana fabricante de nylon Aquafil que desenvolveu um material sintético chamado Econyl feito 100% de resíduos de nylon regenerado obtido das redes de pesca retiradas dos oceanos.
Milhares de toneladas de jeans velhos podem agora ser transformados em novas fibras através da reciclagem e transformados num novo material bioplástico chamado DenimX que pode ser utilizado de diversas formas.
As grande redes de fast fashion estão se movimentado em direção a economia circular investido na recolha em suas lojas de roupas velhas para reciclagem além de tecidos feitos com algodão orgânico, algodão reciclado, poliéster reciclado e tecidos feitos de resíduos pós-industrializados. A H&M patrocinou o prêmio de economia circular Global Change Award 2015 para financiar as 5 melhores tecnologias para solucionar o problema dos resíduos na moda.

EM DIREÇÃO A UMA MODA FUNCIONAL
O crescimento das vendas de tecidos inteligentes está projetado para quase triplicar entre 2012 e 2018, para US $ 2 bilhões, enquanto as tecnologias vestíveis devem crescer para US$ 19 bilhões no mesmo período. Estamos vendo agora o desenvolvimento de tecidos chamados tecidos inteligentes, que são roupas infundidas com elementos tecnológicos que interagem com o usuário.
A tecnologia vestível cria novos nichos e possibilidades na moda pois cria novas capacidades multifuncionais para roupas e acessórios através de tecidos e materiais inteligentes. Nossas roupas se tornarão computadores vestíveis cuja tecnologia miniaturizada estará integrada a fibra têxtil de forma quase imperceptível se conectando a internet das coisas.
Essas inovações estão sendo estimuladas por grandes corporações, novas startups, escolas de design e universidades juntamente com designers, estilistas, cientistas, mídia e especialistas em tecnologia para unir a moda, ciência e a eletrônica.
A tecnologia vestível pode criar roupas que se auto-reparem quando furadas, roupas anti-odor que nunca se sujam e precisam de lavar poucas vezes, roupas que criam energia através do movimento do corpo e energia solar para alimentar dispositivos eletrônicos, roupas que mudam de cor, textura e estampa para eliminar a necessidade de comprar roupas novas e roupas que monitoram nossa saúde e exercícios físicos de forma eficiente.

UMA VISÃO PARA O FUTURO
Duas exposições recentes nos Estados Unidos promoveram a conversa sobre o futuro da moda e da tecnologia: o Museu de Belas Artes de Boston apresentou o #techstyle (06 de Março a 10 de julho de 2016) e Metropolitan Museum of do Art apresentou Manual x Máquina (5 de maio a 15 de agosto de 2016 ).
Ambas exposições ofereceram um vislumbre de como a tecnologia pode ser usada para redirecionar e reduzir o desperdício na moda como é o caso da empresa Bionic Yarn, que tece denim usando garrafas recicladas retiradas do oceano para a linha de roupas G-Star Raw for the Oceans. Outro projeto interessante foi o Nike Flyknit um tênis de corrida que é uma mistura entre arte e tecnologia.
O sapato é tricotado na forma do pé com fios feitos de garrafas de plástico recicladas gerando quase nenhum resíduo de material, com um excelente ajuste e vendido a um preço comercial. Essa tecnologia de tricô 3D torna a fabricação de moda e acessórios muito mais personalizável, prática e sustentável.

Aproveitando a tecnologia de tricô 3D utilizado pela Nike, a startup de calçados Rothy cria belos sapatos femininos feitos 100% de garrafas PET recicladas que também pode ser facilmente reciclados. A impressão 3D também foi tema nas duas exposições pois é vista como o futuro não só da indústria da moda mas de todas as outras.

Através das novas tecnologias de impressão 3D poderemos fabricar artigos de moda em larga produção de forma automatizada, barata e personalizada, sem emitir poluição, eliminando o desperdício, consumo de água e produtos químicos. A automatização das fábricas que produzem artigos de moda será algo comum em 2026 como mostra a tecnologia desenvolvida pela startup americana Softwear Automation e a fábrica automatizada Speedfactory da Adidas.


Com o surgimento de novas tecnologias de produção sustentável, é importante para os designers e estilistas utilizem essas tecnologias para criar produtos artesanais ou industrializados com um propósito que seja bom para o ambiente, mas também esteticamente agradável e acessível. Só então é que a indústria da moda poderá caminhar em direção a um futuro mais sustentável e inteligente.

Fonte: Stylourbano.com.br

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Reduzir, reutilizar e reciclar estão se tornando o novo grito da moda

A moda sustentável se baseia na criação de produtos projetados para durar que sejam feitos de matérias primas ambientalmente amigáveis como fibras orgânicas sem produtos químicos e fibras feitas de materiais pós-industrializados como plástico, resíduos têxteis e resíduos orgânicos. A sustentabilidade, por definição, deve satisfazer as necessidades da geração atual sem comprometer as gerações futuras.

O grande desafio da sustentabilidade é a cooperação entre os fornecedores, marcas de moda, organizações de normas ambientais e consumidores. Para a indústria da moda, o verde é o novo preto e investir em práticas sustentáveis está se tornando a norma devidos aos problemas socioambientais causados pela obsolescência programada que fez com que toneladas de produtos pós-industrializados fossem parar nos aterros sanitários e até nos oceanos.

Por isso novas tecnologias sustentáveis estão sendo criadas para reciclar o material descartado em novos tecidos. É a economia circular do “berço ao berço” sendo aplicada por diversas empresas de moda para criar novos produtos reciclados de forma inteligente e sustentável. Os 3 Rs da sustentabilidade: reduzir, reutilizar e reciclar, estão se tornando o novo grito da moda.

Reduzir, reutilizar e reciclar estão se tornando o novo grito da moda stylo urbano

Veja a seguir algumas empresas que estão fazendo trabalhando para reciclar materiais como plásticos e tecidos velhos para transformá-los em novos produtos.

Timberland fez uma parceria com a thread, uma fabricante americana de tecidos sustentáveis, para criar uma coleção de calçados e bolsas criados a partir de garrafas de plástico reciclado pós-consumo. A colaboração busca criar oportunidades econômicas nos países em desenvolvimento como o Haiti e Honduras, onde as garrafas são primeiramente recolhidas para depois serem fiadas nos Estados Unidos.

A coleção sustentável da Timberland utiliza resíduos pós-consumo como borra de café e garrafas de plástico recicladas para criar os tecidos de seus casacos. A empresa desenvolveu também o ReCanvas, um material que parece, sente e age como uma lona de algodão tradicional, mas é feita 100% de garrafas de plástico reciclado pós-consumo (PET).


A recolha de garrafas plásticas além de deixarem os bairros mais limpos acabam criando emprego nesses países. Além do programa de reciclagem, a Timberland completou seu compromisso de cinco anos para plantar 5 milhões de árvores no Haiti. O objetivo era criar uma “cooperativa agro-florestal auto-sustentável” para milhares de pequenos agricultores que pudesse aumentar a produtividade de suas terras e aumentar os seus rendimentos.



O campeão mundial de surfe, Kelly Slater, fundou sua marca de roupa Outerknown focada 100% em tecidos reciclados e sustentáveis. Kelly queria criar uma maneira melhor de fazer roupas usando menos recursos na fabricação e utilizando materiais descartados que estavam poluindo os oceanos como plásticos e redes de pescas de nylon.

Sua marca Outerknown utiliza os tecidos Econyl , um tecido de nylon criado a partir de redes de pesca e outros resíduos recuperados dos oceanos. O material é produzido pela fabricante de fibras sintéticas italiana Aquafil que afirma que o Econyl pode ser reciclado infinitas vezes sem qualquer perda de qualidade.

A Aquafil faz parceria com uma ONG que vasculha o fundo do oceano retirando redes de pesca velhas que poderiam prender e matar animais marinhos. A empresa também compra redes velhas de pescadores para reciclá-las em novos fios.

Em abril de 2016, foi anunciado que o tecido de nylon reciclado também será utilizado na coleção de jeans masculinos da Levi.

A campanha “upcycling the oceans” da marca de moda espanhola Ecoalf, visa retirar toneladas de plástico do oceano para transforma em tecidos. O impacto ecológico sobre os mares está crescendo ano após ano. Atualmente 6,4 milhões de toneladas de lixo nos oceanos e os plásticos constituem cerca de 90% disso.

Diante dessa realidade, a Ecoalf que é conhecida por fazer suas coleções com materiais totalmente reciclados como borras de café, pneus velhos, garrafas PET, redes de pesca e fibras de algodão e lã reciclados, lançou o projeto colaborativo “upcycling the oceans”, cujo objetivo principal é limpar os oceanos através da participação ativa dos pescadores.

Este projeto que é pioneiro a nível mundial, começou suas andanças nos mares do Mediterrâneo e os resíduos de plástico resgatados resultaram na coleção de primavera / verão 2017, apresentada em Florença na Pitti Uomo.

Além disso, a Ecoalf fez parceria com a Ecoembes, uma organização da Espanha que cuida do meio ambiente e promove a sustentabilidade através da reciclagem de embalagens. A Ecoalf e uma marca de vanguarda que utiliza tecidos oriundos de materiais descartados dando-lhes uma nova vida através de roupas bonitas, modernas e atemporais.

Seguindo os passos da Ecoalf, a linha de roupas G-Star Raw for the Oceans inclui uma gama de produtos feito de denim que utilizam cerca de nove toneladas de plástico retirado do oceano. Utilizar toneladas de plástico retirados do oceano que são transformados em fios de poliéster reciclado para fabricar denim, é uma maneira de vender um tecido sustentável aos consumidores que podem assim assumir alguma responsabilidade ambiental sem sacrificar o estilo.

Uma das questões mais importantes relacionadas com a economia circular é ter certeza que usaremos os recursos existentes de forma eficiente, reciclando todos os resíduos que antes iam parar no lixo. Pensando nisso foi criada em 2013 a Pure Waste, uma marca de roupas ecológicas da Finlândia que produz tecidos  e roupas 100% reciclados de resíduos de algodão e poliéster.

A Pure Waste funciona da seguinte forma: a empresa compra todas as sobras de tecidos dos fabricantes de tecidos que normalmente iam parar no lixo, classifica esses resíduos por cor, depois tritura o tecido de algodão para transformá-lo em fios e, finalmente, transforma os fios em tecidos utilizáveis.

O produto final é um tecido de alta qualidade com 85% de algodão reciclado e 15% de poliéster reciclado, que teria sido eliminado como resíduos. Como a empresa classifica os resíduos por cor, não é preciso nenhum novo tingimento adicional durante o processo. Usar somente algodão reciclado economiza 11.000 litros de água por quilograma, comparado ao uso de algodão novo, segundo o site da empresa.
Reduzir, reutilizar e reciclar estão se tornando o novo grito da moda stylo urbano-1
No entanto, de acordo com um dos fundadores da Pure Waste, Hannes Bengs, a tarefa de encontrar tecidos 100% reciclados foi bem difícil:

“Naquela época, começamos a pensar sobre o uso de tecidos totalmente reciclados e por isso, começamos a olhar para tecidos que fossem 100% reciclados. Para nossa surpresa, nós não conseguimos encontrar fornecedores de tecidos reciclados. Então, ficamos animados e percebemos que poderíamos nós mesmos começarmos a fornecer tecidos reciclados a outras empresas.”

Toda fabricação dos tecidos é feita na Índia. O modelo de negócio da Pure Waste é relativamente simples. A empresa compra sobras de tecidos de fabricantes, os transforma em tecidos utilizáveis ou roupas e os vende para outras empresas ou para consumidores individuais. O que é particularmente interessante sobre o modelo de negócios da empresa são os recursos não utilizados que a empresa está tentando utilizar.

Cerca de 10 a 15% dos tecidos utilizados na fabricação de roupas são geralmente desperdiçados, o que gera milhares de toneladas de tecidos que vão ser jogados fora. Se essas sobras de tecido puderem ser reciclados de forma eficiente para criar novos tecidos de qualidade, se torna um negócio rentável pois matéria prima é que não vai faltar.

O vídeo abaixo mostra como é feito o processo até se tornar uma camiseta.


Que tal usar uma blusa de tricô feita de jeans reciclado? Diga Olá para “Bille Jean”, uma nova coleção de fios feito de jeans upcycled da empresa Wool And The Gang, uma marca de vestuário com sede em Londres que oferece tanto os fios para você tricotar e roupas feitas do fio de jeans reciclado.

Os fios são feitos de roupas e retalhos de jeans velhos que são moídos em fibras, que depois são novamente tecidos em fios. Billie Jean não usa produtos químicos nem corantes na sua criação. Os fios também reutilizam os 20.000 litros de água que foram gastos inicialmente para fabricar as roupas jeans que passaram por upcycled. Fantástica não?
Reduzir, reutilizar e reciclar estão se tornando o novo grito da moda stylo urbano-2

A icônica marca americana de jeans, Levi Strauss & Co., juntou as mãos com uma start-up de tecnologia têxtil chamada Evrnu para produzir o primeiro par de jeans do mundo feito de resíduos de algodão pós-consumo 100% reciclados, usando cinco camisetas de algodão descartados para criar um par de jeans 511 Levi.

Fundada em 2014, a Evrnu tem base no estado de Washington, e procura enfrentar o impacto ambiental da indústria da moda. De acordo com a Evrnu, o seu jeans foi feito usando uma nova tecnologia de reciclagem que pode converter os resíduos de algodão velho em fibras renováveis e usar 98% menos água do que o algodão virgem. Essa tecnologia irá ajudar a Levi a reduzir o seu impacto ambiental global.

Esta nova tecnologia de Evrnu para criar um par de jeans com resíduos de algodão é um grande avanço em sustentabilidade e inovação na fabricação de vestuário para ajudar a reduzir significativamente o impacto global sobre o planeta.

Stacy Flynn, diretora executiva da Evrnu acrescentou, “Levi Strauss and Co. foi nosso primeiro parceiro que apostou na nossa tecnologia e capacidade por ser uma empresa americana icônica com um produto que é reconhecido em todo o mundo. A nossa aspiração é construir um par de jeans Levi que seja tão bonito e forte como o original e nós estamos fazendo um grande progresso em direção a esse objetivo para que possa ser produzido em larga escala.”

Como pode ver, as novas tecnologias de reciclagem são uma excelente alternativa para diminuir de forma eficiente e sustentável parte do impacto ambiental causado pela indústria da moda. Viva a tecnologia e inovação!
Reduzir, reutilizar e reciclar estão se tornando o novo grito da moda stylo urbano-3




PET de hoje, roupa de amanhã

Materiais recicláveis, como garrafas plásticas, viram tendência na moda mundial

Movimentos que propõem cada vez mais a exposição de todos os processos de fabricação de uma roupa andam colocando a moda em uma berlinda. Um dos desafios dos tempos atuais é tornar o consumo cada vez mais sustentável por meio de alternativas que visam à diminuição do impacto ambiental.
E uma dessas iniciativas vem por meio da garrafa PET, que atualmente vive um de seus melhores momentos no universo da moda. É que por meio de um processo de reciclagem, o plástico da garrafa é transformado em fibras que, por sua vez, resultam em um tecido forte, porém macio. Embora ainda soe como uma novidade, há marcas no mercado, como a My Basic, responsáveis por tornar realidade a reciclagem do PET como roupa já há algum tempo. Uma camiseta básica vendida no e-commerce da grife, por exemplo, equivale a aproximadamente duas garrafas retiradas do meio ambiente.
Buscando alternativas mais ecológicas e reverberando a preocupação com o futuro, a nova safra de estilistas também vem se empenhando para popularizar este tecido e, de alguma forma, torná-lo mais viável.
Antônio Fernando Santos, coordenador do curso de Design de Moda da Fumec, entende que os alunos recém-formados estão, sim, mais empenhados na questão da sustentabilidade e mais conscientes da importância da reciclagem. “O tecido feito a partir da garrafa PET se parece muito com a viscose, tanto no caimento quanto no toque. Em geral, ele é combinado com algodão ou linho, que conferem um toque ainda mais confortável e diminui ainda mais o custo”, explica.
Mais vantagens
O estilista Célio Dias, nome por trás da marca mineira LED, conheceu o tecido PET há quase um ano e investe na matéria-prima para produzir parte de suas peças a cada coleção lançada. “Uma das vantagens desse tecido é a facilidade para estamparia, porque ele ‘aceita’ mais facilmente técnicas diversas, como a sublimação. O custo, por conta da tecnologia da reciclagem, é um pouco mais alto, mas o fato de trabalhar com tecidos sustentáveis é gratificante e menos danoso ao meio ambiente”, defende.
Além da responsabilidade socioambiental, da facilidade para estamparia e da durabilidade, Célio também aponta mais um benefício no uso dessa matéria-prima: o conforto. “Ele funciona como o poliéster, que é nada mais, nada menos que plástico que é poluente. Mas o tecido que uso é combinado com outras fibras naturais, o que favorece o caimento e não esquenta tanto quanto um sintético”, conta.
Ecologicamente bonito
Bruna Miranda, idealizadora da Review Slow Living – plataforma sustentável que faz um mapeamento de marcas que trabalham com o consumo consciente –, explica que a indústria da moda sustentável ainda carrega o estigma de estar associada a produtos sem estética. Se antes, na moda, termos como “ecológico” e “sustentável” eram sinônimos de peças com nenhum design, estilistas estão provando, cada vez mais, que é possível trabalhar as tendências com criatividade e bom gosto.
“Algum tempo atrás, uma peça ou era sustentável, ou era bonita. Hoje, não é só assim. As marcas estão investindo em design e informação de moda nesse tipo de tecido e transformando-o em peças desejáveis e vendáveis dentro de uma estética mais atemporal e minimalista, acessível a todos os gostos”, aponta.
Quem compartilha dessa opinião é a estilista Ana Sudano, que trabalha há três anos com maneiras socioambientais e tecidos tecnológicos junto à marca Grama. Para ela, a indústria têxtil caminha a passos cada vez mais largos em direção à criação de artigos que unam estilo e alternativas mais limpas.
No entanto, ela ressalta que um dos empecilhos para a popularização da técnica ainda é a falta de conhecimento do produto. “Ainda existem consumidores que, ao saber que a roupa foi feita de um tecido gerado a partir de garrafa plástica reciclada, associam o produto a lixo. Moda é muito impacto visual. Quando a roupa gera desejo, a mensagem por trás vem automaticamente”, acredita.
Alternativa mais durável para calçados
Vegetariana já há alguns anos, a designer mineira Luisa Jordá encontrou nos tecidos desenvolvidos a partir de embalagens PET recicladas a matéria-prima capaz de substituir o couro animal e outros produtos utilizados na indústria calçadista para criar peças para sua marca estúdio NHNH. Segundo ela, o tecido ecológico não só é bem resistente, como durável e fácil de trabalhar.
“Os fabricantes estão começando a aprender que existem outros materiais que podem ser bem-explorados sem que agridam exaustivamente o meio ambiente, como acontece com o couro animal”. Ainda de acordo com ela, há sim, no mercado, uma demanda significativa por produtos afins, vinda de pessoas que procuram por produtos que não sejam fabricados com materiais de origem animal. 
“As pessoas adquirem a peça porque gostam do design, mas a consciência da produção da indústria vem embutida. É algo que as empresas deveriam adotar, já que a ideologia pode atingir os clientes, e é uma onda que só vem crescendo”, relata.
 
Recentemente, a Adidas desenvolveu um tênis de corrida usando lixo plástico recolhido dos oceanos. A iniciativa é fruto de uma parceria com a organização ambiental Parley for the Oceans. Cada par usa 11 garrafas plásticas, transformadas em fios, na fabricação de sua parte superior. Já a sola, o cadarço e a meia embutida são confeccionados com resíduos de garrafas PET recicladas. Outras marcas de calçados, como a Insecta Shoes, também acreditam que utilizar garrafas recicladas para fazer peças é uma maneira correta de eliminar resíduos. Para Bruna Miranda, do Review Slow Living, a produção sustentável tem um valor maior, e as marcas, de maneira geral, estão procurando por isso. “Fazer com que as pessoas fiquem interessadas em usar esse tipo de material e que percebam que é possível alinhá-lo à estética é uma boa maneira de tornar essas iniciativas mais acessíveis de maneira geral, e não apenas a um nicho de pessoas que já são comprometidas com a sustentabilidade”.

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Dana Cohen utiliza resíduos têxteis para sua coleção de moda sustentável

A talentosa estilista Dana Cohen para sua coleção de formatura na Shankar College of Engineering and Design em Israel, criou a coleção de moda sustentável “Worn Again“, feita através de upcycled de tecidos velhos. Dana Cohen transformou resíduos têxteis em verdadeiras obras de arte vestíveis, mostrando que a beleza pode ser criada a partir de algo descartado.

Sua linda coleção de vestidos foram feitos através da reciclagem mecânica de roupas velhas que depois de trituradas numa máquina de reciclagem mecânica se transformaram num feltro que depois foi prensado, misturando vários fibras de tecido colorido. Blusas usadas se transformaram em fibras para criar novos tecidos utilizando processos têxteis diferentes. Malhas tricotadas foram integradas ao novo tecido reciclado, mostrando a transformação e união entre os resíduos do tecido antigo com o novo tecido para criar roupas modernas e super estilosas.

Tendo um controle total sobre a criação dos tecidos, a estilista pode criar listras e misturas de fibras coloridas que criaram um impacto visual fantástico.  Originalmente inspirada por uma pintura do artista pop Jackson Pollock, ela decidiu que cada combinação de cores de suas roupas faria referência a uma de suas pinturas, cuja técnica de gotejamento de tinta sobre tela inspirou Dana Cohen, que buscou criar uma semelhança nas texturas aleatórias que foram criados durante o processo têxtil. 

Ganhadora do Prêmio Fini Leitersdorf Excellence Award por criatividade e originalidade em Moda, e o Rozen Award for Design and Sustainable Technologies em 2015, Dana Cohen agora está focada em como poderia encontrar maneiras dos tecidos feitos de resíduos têxteis reciclados serem incorporados na produção em massa. Considerando-se que cerca de 17.000 toneladas de tecidos são jogados fora a cada ano em Israel, a reutilização dos resíduos como recursos, poderia aliviar o enorme fardo que a indústria da moda impõe ao meio ambiente.
Dana Cohen utiliza resíduos têxteis para sua coleção de moda sustentável stylo urbano-1

De acordo com a estilista, “Eu encontrei uma maneira de criar um novo ciclo de vida para as malhas usadas, picotando-as e unindo as fibras obtidas para criar novos tecidos. Eu gosto da ideia de que a cor original dos tecidos reciclados consistem de muitas malhas diferentes, cada uma com sua própria história. Depois eu tricoto novas malhas e as integro ao novo tecido reciclado, unido o antigo ao novo para criar peças únicas.”

O trabalho de Dana Cohen também representa a influência do nosso passado em nosso presente. “Cada peça simboliza a possibilidade de criar beleza a partir de algo que pensávamos que já tinha terminado“.  Esses são os estilistas de vanguarda, que desenvolvem novas maneiras de criar tecidos e roupas com materiais descartados pela própria efemeridade da indústria da moda.

Dana Cohen utiliza resíduos têxteis para sua coleção de moda sustentável stylo urbano-2

Levi's lança nova coleção masculina de jeans feita de redes de pesca velhas

Quando se trata de ética e preocupações ambientais, a icônica marca de jeans Levi Strauss & Co. tem uma boa reputação. A partir da introdução de novas tecnologias para diminuir o consumo e reciclagem da água nos processos de tingimento e lavanderia em suas fábricas e incentivar as pessoas a não lavarem com frequência suas peças jeans, a empresa está sempre procurando novas maneiras de melhorar.

A Levi fez uma parceria com a fabricante de nylon italiana Aquafil que desenvolveu um material sintético chamado Econyl feito 100% de resíduos de nylon regenerado. Os resíduos de materiais pré e pós-consumo incluem redes de pesca descartados e tapetes antigos. A Aquafil tem uma parceria com a ONG Healthy Seas Initiative cujos mergulhadores vasculham do fundo do oceano a procura de redes de pesca velhas descartadas por pescadores, reduzindo ligeiramente as 640.000 toneladas de redes de pesca que estão atualmente à deriva nos oceanos, o que representam uma ameaça constante à vida marinha.

Outra razão pela qual a Levi está buscando materiais reciclados é a preocupação de que a produção de algodão, o principal ingrediente para a fabricação do denim,  não possa manter uma demanda crescente devido à falta de terra disponível para o cultivo e também pela quantidade absurda de pesticidas e água necessária para produzir algodão. É necessário procurar opções alternativas e de preferência de circuito fechado.

Econyl é uma poliamida e segundo a Aquafil, “O  ECONYL® é o sistema industrial mais eficiente do mundo para a produção de Nylon 6 e é o único que possui nenhuma perda de qualidade após a recuperação e transformação de resíduos de nylon.” O Econyl está sendo incorporado no jeans Levi 522 masculino, com uma composição de 61% algodão, 38% poliamida (Econyl), e 1% elastano.

Essa poliamida reciclada é usada para produzir uma ampla gama de produtos têxteis para moda praia, moda esportiva, roupa de banho e tapetes. O futuro da moda é a sustentabilidade, e a melhor forma de fazer isso é desenvolver  novas tecnologias para reciclar de forma eficiente e sem desperdício os materiais industrializados que são descartados. Felizmente a cada dia surgem mais empresas empenhadas nisso.
Levi lança nova coleção masculina de jeans feita de redes de pesca velhas stylo urbano

A descolada moda upcycling do renomado estilista Greg Lauren

O talentoso estilista americano Greg Lauren cria fantásticas coleções masculinas e femininas feitas inteiramente de materiais upcycled. Com foco nos tecidos militares descartados como as tendas do exército americano, ele também trabalha com uniformes de escoteiros, cobertores, denim e até pára-quedas. Suas coleções são uma incrível mistura de Cowboys, Dandis e Mad Max criando um visual de estilo nômade, onde cada item foi habilmente adaptado, rasgado e remendado criando um padrão inteiramente original.
A descolada moda upcycling do renomado estilista Greg Lauren stylo urbano-1
Trabalhando com materiais americanos icônicos, a estética de Greg Lauren é uma visão romantizada de moda masculina. Uma sensação áspera de nostalgia é encontrada nos tecidos com aparência de gastos pelo tempo, oferecendo uma segunda vida ao material que havia sido descartado. Greg além de estilista é artista plástico e já fez sucesso como ator de filmes e série.

Talvez seja por isso que ele faz uma mistura incrível do vintage com o futurista em cada coleção, com looks que lembram cowboys, dândis, operários e nômades da virada do século misturados com guerreiros urbanos, heróis futuristas e lutadores. A pegada de Greg é essencialmente masculina mas a sua linha feminina também é muito bem elaborada utilizando materiais descartados. Para sua nova coleção de Outono o estilista se inspirou no arquétipo do herói.
A descolada moda upcycling do renomado estilista Greg Lauren stylo urbano-2
A estética das coleções de Greg Lauren focam no design upcycled dos mais diferentes tecidos que encontra em suas pesquisas com uma paleta de cores ditadas pela natureza dos materiais como o verde militar, índigo denim, preto, terra e ocre além do branco como marcantes pitadas de cor.  Greg Lauren cria coleções mágicas. 

Veja a notícia completa em: Stylourbano.com.br